Como vencer o cancro

E se fosse possível reprogramar as células malignas para voltarem a ser normais? Uma descoberta sensacional promete torná-lo realidade.
Decerto não lhe diz nada, mas a seguinte sequência de letras e sinais constitui a perfeita reprodução de uma nova filantropia: C l C 1 = C C = C ( C 2 = N [ C @ @ H ](CC(COC(C)(C)C)=O)C3=NN=C(C) N3C4=C2C(C)=C(C)S4)C=C1. É assim que se transcreve a identidade química de uma molécula contra o chamado “carcinoma de linha média com reordenamento do gene NUT”, um tipo raro e agressivo de cancro que costuma causar a morte dos doentes menos de um ano depois do diagnóstico. Codificada para fabricar cópias em 2D ou 3D, constitui o tipo de informação ciosamente guardado pelas companhias farmacêuticas, pois o seu valor potencial ascende a milhões de dólares. Todavia, o médico e químico Jay Bradner, criador do composto, está a oferecê-lo ao mundo.
“A nossa missão é acelerar a disponibilidade de medicamentos específicos para os doentes de cancro”, declarou Bradner, que trabalha no Instituto Dana-Farber do Cancro, em Boston. Até agora, já partilhou a descoberta com 250 centros de investigação de dezenas de países. Embora a sua generosidade tenha aumentado a pressão competitiva no seu próprio laboratório, a recompensa é que existem, agora, muito mais pessoas interessadas no referido carcinoma: foram-lhe dedicados pelo menos dez artigos, publicados recentemente nas revistas científicas mais importantes.


SUPER 185 - Setembro 2013