Flutuar



Com o coração a transbordar de Amor, a flutuar num céu de borboletas e com aquela vontade que cada minuto passe muito rápido até receber aquele abraço...

Porque quando temos plena consciência de que estamos perante um Amor arrebatador, indomável, aceitamos passar pela dor de sentir o coração apertado durante semanas a fio, com a ausência daquele Ser que existe longe, com umas saudades maiores que o mundo e que sem pedir licença elegeram residência em toda a parte do nosso corpo, circulam impunemente no nosso sangue, seja de manhã ao acordar ou à noite ao deitar, estão em cada gesto, em cada palavra e em todos os pensamentos que temos. E finalmente, com o tempo, acaba por se instalar uma serena dormência, uma paz baseada nos sentidos, no que é invisível aos olhos e ao tacto, e nos ensina, irremediavelmente, a aguardar pacientemente pela (nossa) outra metade...